A volta dos shows e espetáculos pós pandemia

Muito se especula como será a volta dos shows e espetáculos pós pandemia, frente ao cenário de incertezas que ainda vivemos. Aquele formato conhecido de luzes, cortinas e um ar de suspense e muita expectativa que o momento anterior ao início de uma apresentação causa no público pode não ser mais o mesmo no pós pandemia.

Desde o ano de 2020, com o COVID-19, que esse tipo de experiência foi retirado do público da forma como se tinha o costume.

Espetáculos online

Com a nova realidade mundial provocada pelo COVID-19, diversos artistas tiveram que se reinventar para continuar em voga no cenário artístico. Desta forma surgiram shows realizados em drive-in, em que o público diminui o contato, ficando dentro dos carros, e as famosas lives que arrastaram multidões até o computador para ver seu artista preferido em ação.

As lives ocorreram tanto de forma gratuita quanto paga e foi um meio de continuar o contato com os fãs em meio à pandemia.

O lado negativo foi a impossibilidade de ver o artista tão de perto, mas o lado positivo foi possibilitar assistir a um show que não seria possível para muitos de forma presencial.

A exemplo disso, temos um grupo sul-coreano, o BTS, que em junho de 2020 realizou um show através de live, de maneira paga, arrecadando mais de 100 milhões de reais, sendo assistido por mais de 750 mil pessoas em todo o mundo. Foi um recorde de público, já que seriam necessários ao menos 15 shows em estádios, com capacidade para 50 mil pessoas, para se atingir este público.

No Brasil não foi diferente, destacando-se uma live realizada pela cantora sertaneja Marília Mendonça, no mês de abril de 2020, que atraiu um público de mais de 3,31 milhões de pessoas que visualizaram a live simultaneamente.

Marília Mendonça fez o show da sala de sua residência e teve uma duração de 3 horas e meia. O público que ela atraiu foi o maior do YouTube.

Outros nomes como Gusttavo Lima, Sandy e Junior, Jorge e Matheus e diversos outros também foram na mesma onde e fizeram shows online de forma gratuita.

Setor cultural brasileiro e sua importância

O setor cultural foi um dos mais atingidos pela pandemia em razão da aglomeração que se forma em qualquer espetáculo.

Com o vírus se propagando, em todo o mundo o que se verificou foram shows e festivais sendo cancelados para evitar a aglomeração de pessoas e propagação do vírus.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) realizou uma pesquisa em parceria com a Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape) e constatou que mais de 50% de eventos previstos no Brasil tiveram que ser cancelados e mais de 300 mil espetáculos não foram realizados no ano de 2020.

Este aspecto afeta não apenas os artistas, mas todos os envolvidos na produção, inclusive manutenção de espaços em que os espetáculos ocorrem.

O setor cultural no Brasil é de suma importância não apenas em razão dos valores que giram e que podem ser revertidos para outras produções, mas também em razão de trabalho, já que pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) detectou, no ano de 2018, que 5,2 milhões de pessoas trabalham no setor de cultura, sendo de 44% delas não possui uma renda fixa ou carteira assinada, já que suas atividades são desenvolvidas como pessoas autônomas.

Isso sem contar a formação de novos artistas que também foi muito atingido, já que o setor não estava preparado para aulas de formação de artistas de maneira virtual o que, aliás, compromete até mesmo a interação que deve existir entre os artistas engajados em um projeto.

E como será a volta dos shows e espetáculos pós pandemia?

Esta pergunta permanece sem uma resposta certa já que o cenário nos parece longe de ter um fim.

Para Evandro Matté, maestro da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) os espetáculos online devem permanecer no pós pandemia. Para ele deve ser mantido a forma presencial de espetáculo, mas com transmissão simultânea na internet.

Nego Joca, rapper, também tem a opinião de que mesmo com a volta dos shows presenciais, a forma online deve permanecer, já que existe um mercado para isso.

A pandemia terminou por aflorar novas maneiras de se fazer e levar espetáculos até o público, podendo, no pós pandemia, mesclar as duas formas (presencial e online) de modo a abranger um público maior, já que um espaço físico, além de limitar o número de pagantes, limita o próprio acesso, pois muitos não têm como comparecer presencialmente a um show que gostaria muito de assistir. Veja no site https://shows.net.br todos os shows que já voltaram acontecer gradativamente pós pandemia, escolha seu artista favorito para conferir a agenda de shows!

Somente o tempo nos dirá como será a volta dos shows e es petáculos pós pandemia, mas a mesclagem de formatos é uma saída bem pensada para diversos tipos de apresentações.

Leave a comment